Na manhã desta terça-feira (2), um helicóptero caiu no Lago de Furnas, em Capitólio, no Centro-Oeste de Minas Gerais. A aeronave levava quatro pessoas e, segundo informações do g1, uma delas morreu. O momento foi registrado pela câmera de segurança de um rancho local.

De acordo com a CNN, o helicóptero foi fretado pelo grupo para um passeio pela região e teria outras viagens agendadas na sequência. Entretanto, minutos após a decolagem, por volta das 9h03 da manhã, a aeronave caiu no lago, conhecido como o “mar de minas”, que se estende por 1440 km². Veja o momento da queda:

Das quatro pessoas, apenas duas foram identificadas: Julia Mendonça Silva Bernardes, de 22 anos, e o piloto Lucas Chaves Ávila. Ele foi resgatado por testemunhas que estavam no local do acidente. Ambos foram encaminhados para a Santa Casa de Piumhi, município mineiro, onde receberam atendimento médico. A terceira vítima, que não teve sua identidade revelada, foi levada ao Hospital de Passos.

Lucas teria chegado a unidade de saúde com uma fratura na coluna. Segundo relato, outra vítima não conseguia movimentar os membros inferiores quando foi encontrada. Já o quarto ocupante da aeronave, que era um homem, ficou desaparecido na água por horas e foi encontrado já sem vida.

Ao g1, a corporação revelou que este foi o primeiro voo do dia. Nenhum dos ocupantes do helicóptero soube dizer às autoridades o que teria causado o acidente ou se houve algum tipo de pane no sistema da aeronave. As buscas movimentaram não só os Bombeiros, como também o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), além de equipes policiais e embarcações de salvamento.

Continua depois da Publicidade

FAB se manifesta

Em nota à imprensa, a Força Aérea Brasileira (FAB) afirmou que uma investigação foi aberta para esclarecer as circunstâncias do acidente. O inquérito da Ação Inicial será comandado por investigadores do Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA III), localizado no Rio de Janeiro (RJ), bem como o órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

“Na Ação Inicial são utilizadas técnicas específicas, conduzidas por pessoal qualificado e credenciado que realiza a coleta e confirmação de dados, a preservação de indícios, a verificação inicial de danos causados à aeronave, ou pela aeronave, e o levantamento de outras informações necessárias ao processo de investigação”, disse a FAB.

Continua depois da Publicidade

O Cenipa também se manifestou sobre as diligências do caso. “O Cenipa tem o objetivo de investigar as ocorrências aeronáuticas, de modo a prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram. A conclusão das investigações terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade de cada ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os possíveis fatores contribuintes”, afirmou o órgão.

Por fim, uma investigação também será conduzida pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG). Equipes da corporação e a perícia oficial de MG foram levados ao local para reunir evidências, a fim de realizar os primeiros levantamentos sobre a tragédia.

Siga a Hugo Gloss no Google News e acompanhe nossos destaques



Veja mais em HugoGloss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *