O mercado de segunda mão, longe de perder vigor, vem conquistando novos patamares, impulsionado pela crescente busca por práticas sustentáveis, principalmente entre os jovens da geração Z. Em meio a transformações significativas, como a pandemia global, os brechós e as lojas de aluguel de roupas emergem como verdadeiras tendências no universo da moda. Uma pesquisa recente aponta aumento da procura por esse tipo de consumo, e destaca mudança de comportamento entre brasileiros em 2023.

Vem entender melhor!

garota escolhendo roupa em brechó - metrópoles
O mercado de brechós cresce exponencialmente

 

Pesquisa da Semrush

A sustentabilidade na moda se tornou uma prioridade diante dos desafios ambientais e sociais associados à indústria têxtil que o mundo tem vivenciado ultimamente, em geral. Conscientes dos impactos negativos causados pela produção de roupas, os consumidores têm buscado então alternativas mais sustentáveis.

Segundo um estudo da Semrush, plataforma de marketing digital especializada em visibilidade on-line, a moda circular tem se destacado como uma escolha popular entre os brasileiros. O resultado é uma mudança no comportamento de consumo.

Segundo o estudo, entre setembro de 2022 e setembro de 2023, as buscas por “brechó perto de mim” cresceram 175%, enquanto “brechó roupas usadas baratas” teve um aumento de 128.6%. Paralelamente, as pesquisas por “aluguel de roupas” aumentaram 50%.

Os dados complementam também a crescente preocupação ambiental da sociedade, refletida em um outro ranking de buscas, no qual termos relacionados à sustentabilidade e às mudanças climáticas lideraram as questões sociais mais pesquisadas no Brasil em 2023. A  média foi de 1.58 milhão de buscas mensais, conforme divulgado em novembro pela Semrush.

Cliente usando óculos de sol. Ele confere roupas em arara de uma feira - Metrópoles
A pandemia não enfraqueceu o segmento de segunda mão

 

Feira de brechó, com araras e pessoas observando os produtos - Metrópoles
Brechós como o brasiliense GGarimpei contribuem para inclusão de pessoas gordas nesse consumo

 

Mulher branca e jovem, de cabelo castanho liso amarrado, olha araras de roupas em um crechó. Ela usa uma regata branca e um óculos escuro preto. - Metrópoles
A prática do consumo consciente está alinhada a novos comportamentos na moda

 

Bolsa da marca espalhadas pelo chão - Metrópoles
Visuais que marcaram décadas passadas estão presentes em vários brechós

 

Erich Casagrande, líder de marketing da Semrush no Brasil, aponta: “Os brechós têm se destacado como uma alternativa sustentável e econômica para os consumidores conscientes, o que proporciona uma maneira única de adquirir roupas estilosas e de qualidade a preços acessíveis.”

A pesquisa revela ainda que os consumidores buscam ativamente por marcas que adotam práticas sustentáveis. A Semrush observou um crescimento notável de 466.7% nas buscas por “marcas de roupas sustentáveis” no último ano.

“A consciência ambiental crescente tem impulsionado consumidores e líderes do setor a reexaminar práticas e adotar abordagens mais sustentáveis. Isso inclui a redução do desperdício, o uso de materiais eco-friendly, práticas de produção éticas e transparência ao longo da cadeia de suprimentos”, acrescenta Casagrande.

Mulher preta segurando o penteado em trança com uma das mãos - Metrópoles
O movimento de second hand contribui para a redução do desperdício têxtil e para a promoção da moda circular

 

roupas em arara
A geração Z tem um hábito maior de consumir peças de brechós

 

Produtos de moda em um brechó
Um estudo da Opinion Box, empresa de tecnologia referência em pesquisa de mercado e experiência do consumidor, indica que 43% dos brasileiros preferem marcas comprometidas com ações sustentáveis

 

Na imagem com cor, uma mulher negra de cabelos cacheados em frente a uma arara de roupa - Metrópoles
Nos brechós, cada peça conta uma história única

 

Geração Z como fator de impulsionamento dos brechós

Como a coluna já mostrou, a geração Z — composta por indivíduos nascidos após 1996 — desempenha um papel crucial nesse cenário consciente. Segundo a McKinsey & Company, empresa especializada em consultoria empresarial, ela representa 40% dos consumidores globais de brechós, e detém ainda um poder de compra de US$ 150 bilhões apenas nos Estados Unidos.

No mesmo sentido, um estudo da prestadora de serviços financeiros Piper SandlerPiper Sandler, realizado em 2020, confirma o protagonismo. Os dados revelam que 46% dos adolescentes entrevistados nos EUA compram produtos usados, enquanto 58% praticam o desapego.

Paralelamente, uma pesquisa do Instituto Akatu revela que, no Brasil, 50% dos millennials —  pessoas nascidss após o início da década de 1980 até 1995 — nunca compraram em brechós, por exemplo. A justificativa muitas vezes é de receios em relação à qualidade e higiene das peças.

Mulher experimenta peças vintage. Ela usa um suéter colorido com saia azul abaixo dos joelhos - Metrópoles
Pesquisas e redes sociais interferem cada vez mais nas escolhas dos jovens

 

De costas, mulher mexe em arara de roupas vintage com peças coloridas. Ela usa um body com costas nuas e bermuda oversized - Metrópoles
A moda passou a ser debatida com mais frequência, revelam dados do Google

 

Modelo com peças vintage posando para foto - Metrópoles
A diversidade das marcas também interfere na escolha do consumidor jovem

 

Metrópoles Fashion & Design Festival 2023

Ainda sobre consumo consciente, vale relembrar a segunda edição do Metrópoles Fashion & Design Festival, que ocorreu em setembro do ano passado, e foi recheada de novidades. Ilca Maria Estevão avançou no olhar para a capital e levou, com a proposta de movimentar a economia criativa e circular brasiliense, brechós ao Museu Nacional da República.

Ao todo, 15 empresas do segmento foram convidadas a participar. São elas: To Face, Bullseye, GG Garimpei, Reetiqueta, Bela Shop, Desapeguei Bonito, Choose Vintage, Reciclando Luxo, Lixo Mania, Pretty New, Peça Rara, Tela Ambulante, Brechó dos Óculos, Não Kero Maix e Bem QT Quis.

Cúpula do Museu Nacional da República com logo do Metrópoles Fashion & Design Festival projetado e arte em lilás - Metrópoles
O Metrópoles Fashion & Design Festival 2023 incentivou a moda cíclica no Distrito Federal

 

Na imagem com cor, pessoas olhando roupas no MFDF - Metrópoles
A aposta nos brechós dá uma novas chance às roupas

 

Na imagem com cor, pessoas olhando roupas no MFDF - Metrópoles
Incentivar o consumo consciente de roupas de segunda mão estava entre os propósitos da segunda edição do evento

 

A jornada da moda em direção a um consumo consciente está em andamento — ainda aos poucos, mas está. O novo consumo é moldado pela influência dos jovens e pela necessidade de repensar as práticas tradicionais da indústria. Enquanto os brechós prosperam, e a geração Z lidera como impulsionadora dessa mudança, o futuro de um universo fashion mais sustentável tem sido cada vez mais promissor.


Veja mais em Metropoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *