Nesta terça-feira (8), o motorista de aplicativo que foi atingido por por um aparelho de musculação em Juazeiro do Norte, no Ceará, falou pela primeira vez após o acidente. Em entrevista ao UOL, Regilaneo da Silva Inácio, de 42 anos, comemorou o fato de estar vivo. Ele precisou ser submetido a uma cirurgia para reconstrução da coluna.

“A pancada foi tão violenta, que senti eu sendo quebrando ao meio. Foi como as minhas pernas não fizessem mais parte de mim, tivessem fora do meu corpo. Graças a Deus foi um milagre a máquina não ter atingido a minha cabeça, talvez não estaria aqui pra contar a história”, afirmou ele.

Inácio também explicou que não se lembra muito bem como o acidente aconteceu, apenas que em um momento ele estava cercado de pessoas. “Travei a máquina, desci, dei a volta, coloquei mais peso, e sentei pra descansar. E aconteceu. Na hora, hora pensei que eu tinha morrido. Eu senti o meu corpo partindo, a parte debaixo do quadril sem controle, tudo adormecido, é uma sensação tão esquisita, como se eu não tivesse as minhas pernas”, disse o homem.

“A dor foi tão violenta, que na mesma hora eu tive a consciência que nunca mais voltaria a andar. O que vier pra mim é lucro. É muito difícil aceitar, porém, não vou desistir, vou correr atrás, vou buscar o 1% de chance de que eu possa andar”, comentou ele.

Continua depois da Publicidade

A família comemorou o registro de Regilaneo sentando-se em uma cadeira de rodas depois da cirurgia. O motorista soube pelos médicos que seria  improvável em tão pouco tempo ele conseguir fazer isso. “Graças a Deus deu tudo certo. Mais do que imaginavam”, celebrou ele.

Relembre o caso

Regilaneo da Silva Inácio, de 42 anos, foi atingido por por um aparelho de musculação em Juazeiro do Norte, no Ceará, na última sexta-feira (4). Câmeras de segurança registraram o momento em que o aparelho de musculação cai por cima dos ombros dele. De acordo com boletim médico, “o paciente tem menos de 1% de chance de voltar a andar”.

O homem estava aguardando para usar o equipamento de musculação da academia 220 Fit. Enquanto esperava, ele decidiu sentar-se na parte de baixo do aparelho para descansar. A parte de cima do equipamento acabou despencando e caiu, com um peso de mais de 150 kg, sobre os seus ombros e pescoço.

Aviso: Imagens Fortes

Ele precisou passar por uma cirurgia no último final de semana para estabilização da coluna e descompressão da medula. Apesar do procedimento ter sido bem sucedido, o motorista continua paraplégico. “A cirurgia aconteceu sem nenhuma intercorrência e hoje ele consegue se sentar. Ele está seguindo o tratamento. Venho solicitar que vocês continuem em oração, pois mesmo ele estando bem hoje, ele segue o processo de recuperação. Mesmo que as chances dele voltar a andar sejam mínimas, a gente crê que é possível a partir de um processo de muita fé”, escreveu Socorro Pereira, esposa de Regilânio, nas redes sociais.

A família criou uma vaquinha online para custear o procedimento cirúrgico. O valor inicial de R$ 35 mil já foi alcançado, mas as arrecadações para medicamentos e para o tratamento continuam.

Tomografia mostrou a lesão na coluna de homem (Foto: Reprodução/g1)

Academia e outros funcionários se pronunciaram

O personal trainer da academia onde ocorreu o caso afirmou que o aluno não travou o equipamento corretamente. “Infelizmente foi uma fatalidade. Quando ele se mexe, a máquina despenca. Ele não puxou a trava por completo. A máquina travada corretamente não cai de jeito nenhum. Todos os testes foram feitos após o acidente”, contou Cícero Santos.

Em nota, a academia 220 Fit também se pronunciou. Foi declarado que a situação foi acidental. “O aparelho em questão se encontrava em perfeito estado de funcionamento, visto que, a máquina foi adquirida a menos de 60 dias. Salientamos que, são efetuadas manutenções periódicas em todos os maquinários”, diz a nota. A empresa também afirmou que está prestando assistência ao aluno.

Siga a Hugo Gloss no Google News e acompanhe nossos destaques



Veja mais em HugoGloss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *