Uma nova foto usada como prova contra Amanda Partata foi divulgada neste domingo (31). A advogada está sendo acusada de matar o ex-sogro e a mãe dele envenenados. Na imagem veiculada pelo g1, a suspeita aparece indo para a academia enquanto conversa com o ex-namorado pelo celular. De acordo com a polícia, ela mentiu que estava passando mal no momento.

O flagra, feito pela câmera de segurança de um hotel, mostra Amanda com roupa de academia na frente do elevador. Segundo o advogado Carlos Alfama, ela teria alegado ao filho da vítima que estava com mal-estar. “Amanda foi às 6h59 do dia 15 de dezembro, dois dias antes do crime, para a academia do hotel. Nesse horário, ela conversa com o ex-namorado no WhatsApp e diz que está passando muito mal e que teria passado a noite com sangramento”, contou o agente.

Continua depois da Publicidade

A investigação aponta que Amanda teria cometido o crime por não aceitar o fim do relacionamento de um mês e meio com o filho da vítima. Os dois estavam separados desde agosto, mas antes do término, a mulher anunciou uma gravidez que nunca existiu, e continuou convivendo com a família.

Amanda Partata foi indiciada por duplo homicídio qualificado por motivo torpe e por envenenamento (Foto: g1)

Durante a semana que antecedeu o crime, Amanda se hospedou em um hotel em Goiânia, fez exames médicos, saiu para comprar roupas e se encontrou com o ex-sogro e a mãe dele no domingo para um lanche. Para a refeição, ela levou biscoitos, pão de queijo, suco e bolos de pote. A advogada permaneceu por cerca de três horas no local e voltou para sua casa em Itumbiara com um carro de aplicativo.

Ao todo, a polícia analisou cerca de 50 horas de vídeos de câmeras de segurança, além de ter tido acesso a documentos, quebra de sigilo fiscal e depoimentos. Entre eles, prints de ameaças que a própria advogada fazia para a família do ex através de perfis fakes.

Motivação torpe

A investigação comprovou que Amanda comprou todos os alimentos, como bolos, pães de queijo e sucos, bem como uma orquídea para Luzia, avó do ex-namorado. Os alimentos foram envenenados após a compra. Ela ficou na residência das vítimas das 9h16 até às 12h daquele domingo (17). Após Leonardo e Luzia passarem mal, eles foram encaminhados ao hospital, mas morreram na madrugada de segunda-feira (18). A própria Amanda foi ao hospital no dia do crime, alegando que também havia ingerido os alimentos “estragados”. Seus exames não apresentaram alterações.

Continua depois da Publicidade

Partata foi detida no dia 20 de dezembro e permanece sob custódia das autoridades goianas. Na coletiva, Alfama destacou que “não faltam provas sobre a materialidade do crime” e, por isso, ela vai responder por três homicídios qualificados (dois consumados e uma tentativa), motivo torpe, e envenenamento. A tentativa de homicídio qualificado foi pelo o marido de Luzia, que também estava presente no encontro com a advogada. Ele não consumiu os doces envenenados pois é diabético.

O delegado destacou, ainda, a frieza da acusada durante os interrogatórios. No primeiro, ela disse precisar ir ao banheiro vomitar 15 vezes, fingindo um mal-estar. No segundo questionamento, ela teria ficado em silêncio e “não demostrou arrependimento”. Após a coletiva, a defesa de Amanda Partata se manifestou. Em nota, os advogados afirmaram que “aguardam os desdobramentos das investigações, cujo trâmite é sigiloso, para se manifestar quanto ao teor das imputações declinadas pela Autoridade Policial”.

Siga a Hugo Gloss no Google News e acompanhe nossos destaques

Veja mais em HugoGloss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *