Nesta terça-feira (8), o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro estabeleceu o ex-diretor de humor da TV Globo, Marcius Melhem, como réu em um processo de assédio sexual contra três vítimas. Hoje (9), Dani Calabresa se manifestou sobre a decisão.

“A decisão do Ministério Público de denunciar meu ex chefe (Melhem) por assédio sexual é um reconhecimento da seriedade das acusações apresentadas pelas vítimas. Um segundo reconhecimento, porque a TV Globo já havia demitido-o por conduta inadequada após eu levar o caso ao compliance da emissora no início de 2020″, ressaltou Calabresa.

Na sequência, Dani lamentou o arquivamento de 8 processos, incluindo o movido por ela contra o humorista. “É uma pena que alguns casos tenham sido arquivados porque os crimes já prescreveram. No meu caso, eram duas acusações: uma, de assédio sexual e outra de importunação sexual, que é um crime ainda mais grave. Só que a importunação aconteceu em 2017, e isso só passou a ser oficialmente um crime em 2018. E o assédio infelizmente também já prescreveu”, declarou.

Dani Calabresa se manifesta após decisão do MP-RJ sobre Marcius Melhem. (Foto: Reprodução/Instagram)
Continua depois da Publicidade

A comediante apontou que Melhem teria “ganhado tempo”. “Foi por isso, para ganhar tempo e apostar na prescrição, que o assediador passou os últimos anos atacando a reputação de suas vítimas. O que importa, para mim e para todas as mulheres que tiveram a coragem de falar, é que o assédio foi reconhecido pelo Ministério Público. Continuo a confiar na justiça, apoiar essas mulheres tão corajosas e estarei sempre ao lado delas. Nada justifica o assédio”, concluiu. Marcius, por sua vez, nega as acusações.

Dani Calabresa se manifesta após decisão do MP-RJ sobre Marcius Melhem. (Foto: Reprodução/Instagram)
Continua depois da Publicidade

Prescrição e denúncia

Na última sexta-feira (4), o Ministério Público do Rio de Janeiro ofereceu denúncia criminal contra o humorista Marcius Melhem, acusado por assédio sexual contra três mulheres. Nesta terça (8), o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro aceitou a denúncia e estabeleceu o ex-diretor de humor da TV Globo como réu no processo.

Os casos de assédio teriam ocorrido contra as atrizes Georgiana Góes e Carol Portes, que trabalharam sob a chefia de Melhem no núcleo de humor da emissora carioca. A terceira vítima teria sido uma jornalista, que até hoje não se manifestou publicamente sobre as acusações. Segundo informações do UOL, a denúncia foi feita em continuidade delitiva – condição que indica que o acusado teria realizado uma série de crimes da mesma espécie e que guardam entre si um elo de continuidade.

Continua depois da Publicidade

Entretanto, apesar do apontamento de Melhem como réu, outras oito denúncias contra ele foram arquivadas por prescrição punitiva dos fatos. Segundo a lei, a prescrição do crime de assédio sexual é de quatro anos – as oito denúncias negadas são de episódios que teriam ocorrido antes de agosto de 2019. Já as três denúncias aceitas giram em torno de casos datados entre o final de 2019 e o início de 2020.

Entre as acusações estavam relatos de Dani Calabresa, Renata Ricci e Verônica Debom. As outras cinco mulheres não foram citadas, pois nunca falaram publicamente sobre os casos de assédio. “Considerando que tais fatos ocorreram no período compreendido entre o início do ano de 2014 e janeiro de 2019, pela análise do presente caso, considerando o lapso temporal transcorrido entre a data dos fatos e a presente, forçoso reconhecer a incidência do fenômeno prescricional, nos termos do art.109, VI do Código Penal”, afirmou o MP-RJ em nota à imprensa.

Siga a Hugo Gloss no Google News e acompanhe nossos destaques



Veja mais em HugoGloss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *