Vivendo no Brasil já há um bom tempo, o DJ, produtor, músico, engenheiro de som e headlabel ítalo-polonês Cesare vs Disorder lançou em Julho um grandioso trabalho batizado de Antidote, pela sua própria Serialism Records.

Trata-se de um LP composto por 13 faixas no formato digital (publicadas apenas via streaming) e 8 no formato vinil que exala uma energia única e entrega uma experiência musical verdadeiramente ampla.

Através de uma jornada sonora multifacetada que combina com maestria diversas das suas influências dentro e fora da Dance Music, Antidote demonstra toda a versatilidade de Cesare vc Disorder sem qualquer tipo de limitação estilística.

COVER STORY | A artista turca Elif está em ascensão meteórica e você não pode perdê-la de vista

Mais sobre Cesare vs Disorder

O artista possui uma longa experiência de vida clubber, já tendo vivido em Milão nos anos 90, Londres e Berlim, até se mudar para São Paulo alguns anos atrás criando um forte laço com nosso país — tanto que algumas faixas foram nomeadas com palavras do nosso dicionário, como “Tá bom” e “As vezes”, incorporando elementos e nuances da cultura brasileira que dão um toque genuíno ao álbum.

Apesar de já ter aparecido em algumas das principais gravadoras do globo, como Big Dada/Ninja Tune, Cocoon, Transmat, Bpitch Control, Crosstown Rebels e Get Physical, não teria como lançar seu primeiro álbum se não fosse pela sua Serialism Records, que também já possui respeito na indústria com seus mais de 16 anos em atividade.

Read Next | Artista americana-taiwanesa JVNA anuncia segundo album de estudio ‘Play With You’ e lança single empoderador de mesmo nome

Faixa a Faixa

Descrever esse álbum tornou-se uma tarefa bastante complexa, já que ele foge dos moldes tradicionais e se mostra bastante dinâmico, oscilando habilmente entre momentos acelerados e outros mais contidos

As faixas flertam com gêneros tão diversos quanto jazz, minimal, breaks, house, techno e até sons mais experimentais.

Read Next | Drunky Daniels atinge ótima performance nos charts do Beatport com seu novo EP ‘I See You’

‘What?!’ abre o disco de forma leve e delicada com um compasso descompromissado de downtempo, nos pegando pela mão para um passeio sem destino.

“Just A Rephlex” foge do tempo 4×4 e trabalha com o padrão de bateria Uk Garage quebrado somado a diversos elementos recortados, despertando uma certa curiosidade sobre o que virá pela frente.

“I Used To Hold You” é uma collab com Joe Le Groove e soa bastante intrigante, diferentes vocais se fundem à bateria num equilíbrio entre um som mais experimental e lúdico, enquanto outros sons completam o arranjo de forma criativa.

Em seguida, “Tá bom” chega com mais pressão e apresenta um synth modulado do começo ao fim da track que funciona como uma espécie de imã para todos os outros elementos que giram em torno dele, uma faixa de breakbeat que funcionaria muito bem na pista.

“Oh Lord” desacelera novamente e marca a segunda colaboração do disco, dessa vez com um ícone do Jazz Hip Hop: Mike Ladd; juntos deram vida a uma faixa que flerta com o Trip Hop, destacando bastante a melodia do piano e dos vocais que ecoam no pé do ouvido.

A próxima faixa traz outro nome de peso, Cristi Cons, figura bastante conhecida dentro do minimal romeno. “Jupiter’s Rain” é delicada e contemplativa, com destaque para a ambiência construída que cria um ar psicodélico sutil.

Read Next | Após finalizar tour pelo Brasil, Argentina e Uruguai, o Coletivo Polvo tem muitas histórias para compartilhar

“South East” mantém um ritmo acelerado dentro do Breakbeat com diversos efeitos sonoros, enquanto “B Urself” cria uma mistura agradável de Chicago house e minimal com uma aparição rápida de elementos de jazz nesta collab com Rockey Washington.

“Brixton ‘98” vem numa pegada mais electro com toques de dubby techno e mantém sua linearidade, até sermos apresentados a “If You Are Free”, com participação de MC Dreaminah, que performa um vocal derretido e penetrante de queima lenta.

“Seven” nos aproxima do final e é a última faixa colaborativa, trazendo o produtor italiano Weg e o holandês San Proper, dando origem a uma track mais voltada à pista.

“Antidote”, a faixa que dá nome ao LP, nos banha com a suavidade do jazz e traça a fronteira da experimentação da dance music até que, por fim, “As Vezes” encerra o álbum evocando um mundo de mistério com alguns elementos bem escolhidos, mesclando sons leves com uma linha de baixo distorcida.

Em suma, “Antidote” é uma experiência musical rica onde Cesare vs Disorder nos presenteia com um verdadeiro festival de sensações, provando que sua música é o antídoto perfeito para os corações e mentes ávidos por inovação e expressão artística.

Follow Cesare vs Disorder on Instagram, Spotify, Soundcloud & Facebook

Follow Serialism Records on Instagram, Soundcloud & Facebook

COVER STORY | De um vilarejo na Ucrânia às melhores baladas do mundo. Conheça Xenia, estrela em ascensão no techno!

Load the next article


Veja mais em Mixmag

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *